Skip to main content
header-image

Alex Mc Lennan tem como principal objetivo mudar a história da GE Power Conversion na América Latina

GE Reports Brasil
July 11, 2023

Há pouco mais de um ano à frente da GE Power Conversion LATAM, em Campinas, o CEO Alexander Mc Lennan traz na bagagem uma experiência profissional, cultural e familiar diversa em prol do negócio. Criado na Argentina, filho de pai escocês e mãe brasileira, o carioca Alex (como é conhecido pelos colegas) possui uma regra simples que ele chama de “168” e a aplica no dia a dia para lidar com os desafios em busca de equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional. Conheça um pouco da história do triatleta amador que está transformando o negócio da GE Power Conversion na região.

MAIS DE DUAS DÉCADAS DE GE

Alex Mc Lennan possui mais de 23 anos dedicados à GE. O começo dessa história foi na Argentina, em 2000, onde ele ajudou a desenvolver a área de Capital da GE, um “startup business” com perfil, na época, bastante empreendedor. Após três anos, o próximo desafio foi no México, quando foi designado para dar início ao mesmo negócio de Capital no país. Ele lembra que a equipe inicial era de 15 funcionários e, apenas três anos mais tarde sob sua liderança, somava 3.500 colaboradores de forma orgânica, motivo de muito orgulho do executivo. Em 2005, Alex foi para a Costa Rica atuar e comandar operações em um banco da América Central, Caribe e Flórida, adquirido pela GE em uma série de aquisições, onde pôde aprender com os colegas de diversas culturas e ganhar respeito dos grandes figurões da GE, na época.

RELACIONAMENTO COM A INDÚSTRIA

Em 2008, ano da grande crise econômica global, a área de Capital da GE teve um declínio natural como todo o mercado, o que levou o executivo para a parte industrial do negócio, especificamente na área de Óleo & Gás. Segundo ele, um momento-chave em sua trajetória profissional pela transição entre setores totalmente distintos, propiciando ainda mais aprendizado. O novo começo foi na integração da Vetrogray, a primeira grande aquisição da GE nesse mercado, sendo responsável por toda América Latina, função “facilitada” pelo seu bom conhecimento e experiência em países como Brasil, Argentina, México e a região da América Central.

Após um ano, o executivo migrou para uma grande planta da GE em Jandira, interior de São Paulo, responsável pela produção de cabeça de poço e árvore de Natal, peças que eram o foco dos contratos entre GE e Petrobras, além de outras empresas internacionais do setor. A passagem em Jandira durou cinco anos e o executivo também guarda esse período com grande satisfação, por ter contribuído novamente com uma transformação de um importante negócio da GE.

Antes da chegada à GE Power Conversion, Alex teve outras duas experiências marcantes na GE. A primeira foi liderar toda a área comercial no Rio de Janeiro para o mercado de Óleo & Gás, para todos os negócios do setor na América Latina, passando pela integração com a Baker Hughes e, posteriormente, pelo spin off da empresa que passou a ser independente da GE. A segunda, ainda no mesmo setor, durou cerca de dois anos como Gerente Geral para o Brasil da FPS (Flexible Pipes — ex. Wellstream), que fazia tubos flexíveis, sediada em Niterói (RJ), numa operação com 1.500 funcionários.

CHEGADA E IMPACTO NA POWER CONVERSION LATAM

Em abril de 2022, quando Alex Mc Lennan assumiu como CEO da Power Conversion LATAM, a empresa contava com uma certa deficiência, reflexos a nível fabril da pandemia nos prazos de entrega. Por isso, o grande desafio inicial do novo comandante era ajudar para que essas entregas fossem realizadas dentro do prazo e com qualidade, além de fazer isso com retorno financeiro positivo. “Houve uma grande mudança na GE Power Conversion, assim que passamos a ser uma região independente, ou seja, separada de Américas (Estados Unidos, Canadá e América Latina). Por isso, acredito que foi fundamental adotar uma estratégia de médio e longo prazo, não apenas em curto prazo.” Ainda é pouco tempo para avaliar, mas Alex garante estar extremamente satisfeito com a jornada que todos estão percorrendo, junto a um time de alto padrão com foco em rentabilidade, participação de mercado e entregas dentro do prazo.

VIDA PESSOAL X CARREIRA

Quando questionado sobre como balancear a vida profissional em um cargo tão importante com a vida profissional, Alex compartilha algo bastante peculiar, ou seja, um número. “Sigo uma regra que se chama ‘168’. Temos 24 horas num dia, sete dias na semana e não vamos mudar isso, é um fato. O que você faz dentro dessas 168 horas é uma escolha”. Segundo ele, é importante ser eficiente no tempo que temos. “Você pode ter uma reunião eficiente de dez minutos e outra com duração de uma hora, mas totalmente improdutiva. É fundamental que você crie essa disciplina e seja um guardião do seu tempo. Não fico no celular o tempo todo e prefiro confiar no time que tenho, delegando da forma adequada para poder administrar meu tempo livre”, reforça.

Alex também diz que prefere acordar e dormir cedo, além de incluir a prática de esportes em sua rotina. “Durante toda minha vida pratiquei esportes e, atualmente, o triátlon é a minha principal modalidade. Às vezes não é possível manter a rotina, principalmente durante as viagens de trabalho, mas eu levo um tênis, foco em hotéis com academias e se precisar, saio correndo pela rua mesmo, tudo em busca desse equilíbrio”.

Ele também é categórico ao separar a vida pessoal e trabalho. “Poucas vezes trabalho no final de semana, tento estar em casa nos finais de semana, tomar café da manhã com meus filhos e estar sempre presente. Se você estabelece essa rotina com as suas prioridades, administra muito melhor o seu tempo”, afirma.

O FUTURO DA GE POWER CONVERSION

Quando o assunto é o futuro, o CEO afirma que a prioridade é o crescimento da Power Conversion na região com grandes perspectivas não apenas para o Brasil, mas para países vizinhos como o Chile. “Temos a parte de equipamento, na qual queremos crescer, ter maior competitividade, poder entregar dentro dos prazos e com a qualidade GE, marca registrada da empresa. Outra prioridade é a área de serviços, uma vez que temos uma base instalada importante com nossas soluções e equipamentos. Por isso, precisamos estar próximos aos nossos clientes, onde eles estiverem”. Alex reforça ainda que o mercado de Óleo & Gás está na mira do negócio, pois é um setor em franco crescimento, para o qual a GE precisa ter bons olhos. Contudo, lembra ainda que os setores de mineração e siderurgia também estão no radar da empresa.

“Estamos naquele momento de preparação para o spin off, iniciado pela GE em janeiro deste ano com a separação da GE HealthCare e que caminha para a criação da GE Vernova, nosso portfólio de energia em 2024. É uma experiência que vivenciei outras vezes durante minha história na própria GE e a vejo com bons olhos, pois é uma possibilidade de focar no segmento que atuamos e em nossos clientes, dando retorno aos acionistas, utilizando o mesmo DNA de inovação da empresa, algo que nunca iremos perder. A GE é uma empresa inovadora, que traz tecnologia de ponta em todos os seus negócios, e iremos continuar a investir nisso, inclusive com o foco na descarbonização, possível apenas com a evolução da tecnologia”, lembra.